Pular para o conteúdo

Disney demite 7 mil funcionários e fecha departamento de metaverso

Compartilhe:

A Disney está em processo de demissão em massa de 7.000 funcionários, que serão divididos em três fases a serem completadas nos próximos meses.

Disney+ Logo
Montagem com logo da Disney+, serviço da Disney

Essa semana aconteceu a primeira fase, onde o departamento de desenvolvimento de metaverso foi fechado e 50 funcionários da área foram demitidos. O desligamento de 7 mil funcionários da empresa representa 3% do total e será feito para se proteger na preocupante realidade econômica atual do mundo. A Disney pretende diminuir os custos em cerca de US$ 5,5 bilhões com as mudanças.

O fechamento do departamento de metaverso pode surpreender porque os trabalhos nessa área foram anunciados recentemente. Isso aconteceu em fevereiro de 2022, quando o até então CEO da empresa, Bob Chapek, deu ao Mike White a direção do departamento.

“Por quase 100 anos, nossa empresa definiu e redefiniu o entretenimento, aproveitando a tecnologia para dar vida às histórias de maneiras mais profundas e impactantes” , “Hoje, temos a oportunidade de conectar esses universos e criar um paradigma totalmente novo de como o público experimenta e se envolve com nossas histórias… Este é o chamado metaverso.”, escreveu Chapek aos funcionários em fevereiro do ano passado, com informações do The Wall Street Journal.

Mike White trabalha há mais de dez anos na Disney e não parece ter sido demitido com o fechamento do departamento de metaverso. Já Bob Chapek, que iniciou a ousada ideia da empresa em investir no metaverso pouco após o Facebook mudar seu nome para Meta, foi demitido em novembro do ano passado, sendo substituído por Bob Iger. Logo que Iger se tornou o novo CEO, os rumores das demissões circulavam.

Ao terminar as fases das demissões em massa, a Disney se juntará à outras grandes empresas que também fizeram isso recentemente. Além disso, junto principalmente da Meta, ela luta para conseguir tornar o metaverso, que possui inúmeras possibilidades, em plataformas comerciais rentáveis.


Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *