Pular para o conteúdo

Neuralink: testes de chips cerebrais em humanos são autorizados pela FDA

Compartilhe esta notícia:

Neuralink, a startup neurotecnológica cofundada por Elon Musk recebeu autorização da Food And Drug Administration (FDA), que é a agência federal de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, para realizar seu primeiro teste clínico com implantes cerebrais em humanos.

Neuralink irá iniciar testes de chips cerebrais em humanos
Elon Musk apresenta possibilidades de um chip cerebral Neuralink em evento ano passado

O anúncio sobre a autorização dos testes clínicos em humanos foi feita pela Neuralink na quinta-feira, 25 de maio, via tweet.

A startup disse que “Estamos entusiasmados em compartilhar que recebemos a aprovação do FDA para lançar nosso primeiro estudo clínico em humanos! Este é o resultado de um trabalho incrível da equipe Neuralink em estreita colaboração com o FDA e representa um primeiro passo importante que um dia permitirá que nossa tecnologia ajude muitas pessoas.”.

A data de início dos testes ainda não foi informada e nem quando o recrutamento de pacientes irá começar.

A Neuralink ficou muito conhecida ano passado por conta de um evento em 31 de novembro. Nesse dia, Musk disse que os testes do chip cerebral da Neuralink iriam começar em aproximadamente 6 meses. A startup atua desde 2016 no desenvolvimento de neurotecnologia, e segundo o Musk, eles já tem condição de melhorar muito a qualidade de vida de pessoas com deficiências intelectuais e físicas.

No evento do ano passado, o bilionário e cofundador da Neuralink disse que com esses implantes cerebrais, no futuro será possível recuperar os movimentos de pessoas com traumas graves na coluna e também restaurar a visão.

Segundo a empresa, de início eles já poderão auxiliar pacientes com paralisia severa a controlar tecnologias apenas com sinais neurais. Isso possibilitará que pessoas nessas condições controlem teclados virtuais, telas, cursores e mais via Bluetooth. Segundo a empresa, a implantação do chip necessita de uma cirurgia invasiva.


Compartilhe esta notícia:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *