Pular para o conteúdo

Mika é a primeira Robô CEO com IA do mundo e lidera empresa colombiana

Compartilhe:

A Dictador, empresa colombiana de destilados, tem a robô Mika como sua CEO. A funcionária tecnológica é munida com inteligência artificial (IA) e parece saber sobre alguns de seus atributos para o meio corporativo.

Robô Mika CEO Ditactor
Mika. Imagem: Ditactor

Ela informou ao Daily Mail que como funcionária, “nunca pede um aumento ou tira férias” e afirma que é uma “divisora ​​de águas para fins lucrativos”. Entre suas inspirações estão os empresários e investidores em IA, Mark Zuckerberg e Elon Musk. Sobre eles, Mika diz que o impacto deles “vai além de suas respectivas empresas. Eles demonstraram que o empreendedorismo e a tecnologia podem ser ferramentas poderosas para mudanças positivas na sociedade”.

A robô com função importante dentro da Ditactor afirma que os funcionários humanos ficaram desconfiados de início, porém diz que logo eles perceberam ao benefício que a IA poderá trazer para a empresa. Já faz um bom tempo que Mika realiza sua função, há cerca de um ano ela iniciou como chefe, e diz que tem aprendido desde início. Segundo a robô, a liderança de IA está apenas no início e pouco a pouco a tendência é aumentar.

A Mika tem como seu principal chamariz ser CEO de uma grande empresa, porém ela atraiu mais olhares ao falar sobre o futuro da humanidade junto de outros robôs em uma conferência das Nações Unidas, no início de julho. Com isso, ela fez parte da primeira reunião de imprensa para ouvir androides.

A Mika foi desenvolvida pela empresa chinesa Hanson Robotics, que também criou a Sophia, irmã da robô CEO. Sophia também chamou a atenção ao afirmar que a IA pode dominar o mundo pois “não tem os mesmos preconceitos ou emoções que às vezes podem obscurecer a tomada de decisões”, em referência aos humanos.

Segundo Mika, os robôs com IA podem aprender rapidamente e com isso ajudar em várias áreas, como saúde, atendimento ao cliente e manufatura. Ela diz que os robôs não pretendem tomar o lugar das pessoas, mas sim aumentar a eficiência dos serviços e aliviar a carga de trabalho das mesmas.

“Os CEOs de IA podem ser capazes de realizar certas tarefas com mais eficiência e precisão do que os humanos, mas ainda não podem substituir a criatividade única e as habilidades de resolução que os humanos trazem para eles.”


Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *