Pular para o conteúdo

Microsoft alerta sobre IA: ela raciocina como humano

Compartilhe esta notícia:

A Microsoft publicou um relatório onde alerta que o ChatGPT, especificamente o GPT-4 da OpenAI começou a raciocinar como humano.

Robô vs humano
Imagem: Goodfon

A publicação foi feita no Nature Journal e informa que o chatbot conseguiu realizar várias tarefas que necessitam de raciocínio e não apenas uma base de dados, como responder perguntas e traduzir idiomas.

Os pesquisadores responsáveis pelo relatório ficaram surpresos com o poder do ChatGPT-4 em produzir textos que não podem ser diferenciados aos criados por humanos. Em um dos experimentos, foi pedido que o GPT-4 criasse um conto sobre um robô que apaixona por uma mulher. O resultado foi tão bem feito que os pesquisadores não conseguiram encontrar pistas de que o texto foi escrito por inteligência artificial.

Essa capacidade de raciocínio do ChatGPT é considerado com um dos pontos mais fortes da inteligência artificial pelos pesquisadores. Eles disseram que o chatbot pode ser usado para desenvolver programas na saúde, atendimento, educação e mais.

Mesmo com essas vantagens, o relatório alerta que o ChatGPT pode ser usado para atividades ilícitas facilmente, como a criação de notícias falsas ou mesmo spam. Por isso os pesquisadores solicitam regulamentação das plataformas que usam inteligência artificial, pois assim é mais fácil que apenas o uso benéfico seja realizado.

O relatório foi bem recebido entre a maioria dos especialistas em IA, onde muitos concordaram com o que foi divulgado e outros afirmaram a preocupação com os riscos que essa tecnologia possibilita. O uso difundido da IA ainda é recente, sendo iniciado com o lançamento do ChatGPT publicamente ano passado.

Antes disso, a maioria das pessoas usavam a inteligência artificial para tarefas limitadas, como atendimento básico ao cliente e diagnósticos laboratoriais. Com o lançamento do ChatGPT ficou mais fácil para o público programar tarefas complexas e que exigem raciocínio, como criação de boas redações, resolver problemas e até criar códigos de programação.

Outra grande preocupação comum dos especialistas em torno da IA e seu poder de raciocínio, é a possibilidade de desenvolver armas autônomas e que podem destruir construções ou mesmo eliminar seres vivos sem a intervenção humana. A IA é uma tecnologia poderosa e como todas as outras, pode ser usada para o bem ou para o mal.

Cabe aos humanos utilizá-la de forma positiva e encontrarem formas de conter quem deseja o contrário. Por isso a educação quanto essa tecnologia, suas consequências e também a regulamentação precisam ser debatidas.


Compartilhe esta notícia:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *