Pular para o conteúdo

YouTube testa canais streaming gratuitos com anúncios

Compartilhe esta notícia:

O YouTube testa canais de streaming gratuitos para entrar na concorrência com serviços que obtiveram sucesso com esse serviço.

YouTube testa canais de tv grátis

A monetização desses canais é similar da feita em vídeos da plataforma, que é com vídeos de anunciantes, segundo o The Wall Street Journal. Entre alguns dos serviços mais conhecidos e que o YouTube deseja encarar, estão o PutoTV, Roku e também alguns serviços de canais gratuitos incluídos em marcas de TV como a Samsung.

Esse negócio já provou ter retorno financeiro grande. Isso foi provado com relatórios da Roku, que ganhou mais com publicidade do que com venda de aparelhos. Segundo os relatórios, a Roku arrecada mais de 44 dólares por usuário ao ano, lembrando que a empresa revelou ter cerca de 70 milhões de usuários ativos atualmente. Na multiplicação simples, a renda vinda dos anúncios na Roku é em torno de 280 milhões de dólares ao ano com a quantidade de usuários informada.

Um funcionário do YouTube que não quis se identificar, informou ao Journal que realmente os testes estão em andamento e que o serviço pode ser lançado ainda em 2023. Além disso, ele informou que a plataforma já trabalha com grandes empresas, como a A&E, dona do History.

O YouTube não irá entrar nesse mercado com total inexperiência. A equipe já trabalhou com programas televisivos gratuitos monetizados via anúncios em sua plataforma. Em 2022 também foram adicionados alguns canais de graça para o público por eles ao Google TV pelo PlutoTV.

Outro serviço da plataforma que envolve canais de televisão é o YouTube TV. Esse é um serviço por assinatura que transmite canais pagos na plataforma. A empresa informou que em torno de 5 milhões de usuários se cadastraram no YouTube TV. Como a plataforma já tem toda a estrutura do YouTube TV no ar, pode ser que ela aproveite-a para adicionar os canais gratuitos, porém ainda não informou como esse serviço irá funcionar.


Compartilhe esta notícia:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *