Pular para o conteúdo

Chandrayaan-3, da Índia, pousa com sucesso no polo sul da Lua pela primeira vez na história

Compartilhe esta notícia:

A Índia realizou um importante ato na exploração espacial ao pousar a sonda Chandrayaan-3 no polo sul da Lua.

pouso da Chandrayaan-3 na Lua - ISRO
Imagem: Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO)

Com isso, ela é primeira nação a realizar um pouso suave nessa misteriosa região de nosso satélite natural, conhecida como lado oculto da Lua, e a quarta a conseguir um pouso suave na Lua. A exploração da área do pouso é importante porque especialistas acreditam que ela contém água congelada, porém até então, sem a oportunidade de realizar análises.

possível água congelada no polo sul e norte da Lua - NASA
Projeção de água congelada nas superfícies do polo sul e polo norte da Lua feita pela NASA em 2018

As outras três nações que conseguiram realizar um pouso bem sucedido na Lua são Estados Unidos, a Rússia, quando ainda participava da União Soviética e a China. Elas aterrissaram próximo do equador lunar, que é uma região considerada mais segura, com terreno e temperaturas estáveis. Além disso, essa região recebe boa quantidade de luz solar, usada para recarregar a energia da maioria dos equipamentos usados em exploração espacial.

Poucos dias atrás a Rússia chegou perto de ser a primeira nação a realizar um pouso suave no polo sul da Lua, porém a sonda Luna-25 bateu contra a superfície lunar ao realizar manobras finais.

A Índia transmitiu o pouso de hoje (23) ao vivo pelo canal no YouTube da ISRO. Após a missão pousar com sucesso, o primeiro-ministro do país, Narendra Modi, falou que esse feito prepara a Índia para voos tripulados no futuro. A exploração do lado oculto da Lua não deverá ser fácil, isso porque essa região é repleta de crateras profundas e fica em profunda escuridão.

YouTube video

A NASA informa que essa área não recebe luz solar há bilhões de anos e a temperatura pode chegar a -203 graus Celsius negativos. Essas extremas condições inviabilizam a observação dessa área lunar da Terra e ao mesmo tempo torna a exploração presencial, mesmo que por meio de robôs, em um enorme desafio.

Se passaram 22 dias desde que Chandrayaan-3 foi lançada, sendo dia 14 de julho do Centro Espacial Satish Dhawan, até entrar na órbita lunar, dia 5 de agosto. Dia 17 de agosto, Vikram, o módulo de aterrissagem que levou o Pragyan, um rover terrestre lunar, se separou com sucesso de seu módulo de propulsão em preparação para o pouso de hoje.

Essa foi a segunda tentativa de pouso na Lua da Índia após Chandrayaan-2 sofrer impacto no solo lunar em 2019. Agora o papel de Chandrayaan-3 será implantar Pragyan para que ele explore o ambiente local por 14 dias terrestres (1 dia lunar) e realize experimentos científicos para descobrir qual a composição elementar da superfície da Lua.


Compartilhe esta notícia:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *